Arquivo mensal: fevereiro 2012

29/fev/2012

Diego Santos no Havaí

Nosso parceiro e tuberider Diego Santos também começou a temporada 2012 no Havaí, e manda notícias pra gente, em forma de vídeo:

É a Hawaiian Days, uma série de pequenos filmes de surf que Diego está montando para acompanhar essa trip. O vídeo acima é o episódio 2, “Aloha Spirit”.

As imagens são captadas e editadas direto do North Shore, na ilha de Oahu, com sessions em picos como Pipeline, Backdoor, OTW, entre outros.
A edição é do próprio Diego Santos e as imagens são de Marcelo Aguiar. A trilha é com a música Bullet and a Target, da banda Citizen Cope.

28/fev/2012

O surfista é quem faz a prancha

Todo mundo sabe que o equipamento certo na hora certa faz toda a diferença no mar. Quantas quilhas, o tamanho da prancha, qual o leash, a parafina e tudo mais.
Para esses caras não. Eles preferem fazer o melhor com o pior.

Eles fazem parte do Post Modern Collective, um grupo que, mesmo que pareça, não brinca em serviço. Os caras usam pranchas populares, vendidas em grandes magazines, de material menos funcional e mais frágeis, e levam essas boias além dos seus limites. Nas palavras deles: “We can take the crappiest days and turn them into magic”. Em uma tradução livre, “podemos pegar os piores dias e transformá-los em mágica”.

Então tá, né.

Infos: Surfers Mag.
 

27/fev/2012

Pegando onda com o pé-grande

Saca pé-grande? Aquele personagem, tipo lenda rural, que aparece para aterrorizar as criancinhas no bosque e em suas casas de campo? Pois então, ele foi avistado na praia, saindo do mar em Blackpool, um balneário da Inglaterra. Dizem que ele estava indo encontrar com seu amigo Ness, o monstro do lago…

Brincadeiras à parte, as pegadas gigantes foram avistadas sim, mas são obra de dois artistas muito criativos, Ged Bryan e Jon Hicks, especializados nesse tipo de arte high-speed, que precisa ser feita rapidamente e não dura muito tempo. Como desenhos na areia, que se vão com as marés.

A pegada criada na areia tinha cerca de 100 pés, tamanho relativo a um gigante de pelo menos 620 pé de altura. A arte levou quatro horas para sua execução, aproveitando as marés baixas e driblando as altas.

Olha o tamanico da pessoa comparada ao pé-grande!

A ação foi para promover um evento local. Bem pensado, e bem chamativo!

Já pensou, você está saindo do mar, tranquilo, depois de uma session de quatro horas, e vê umas pegadas gigantes na praia, que não estavam ali antes?!?! Medo.

Infos: Daily Mail

24/fev/2012

Binho detonando Pipeline

A gente ja contou por aqui que o nosso parceiro freesurfer Binho Nunes está no Havaí, aproveitando esse início de temporada 2012 em grande estilo. E como a gente não pode ir, e ficou no Brasil chupando dedo, ele mandou algumas fotos pra gente curtir com ele.

Na sequência, ele dropando a onda e depois entrando num tubão insano. Nesse dia, os tubos tinham de 8 a 12 pés, pesados e sinistros. Em duas horas, Binho pegou cinco ondas, surfando de 7’4.

Confere as fotos:

Quem ficou com vontade de surfar com o Binho em Pipeline levanta a mão 0/

Iradas as fotos! Cara, valeu pelas imagens e continua aí quebrando a vala, que a gente curte daqui!

Aloha!

 

23/fev/2012

Reedition: o clássico da FreeSurf

Tem coisas que são inesquecíveis, que nos marcam e emocionam mesmo anos depois. Com o o nosso primeiro logotipo. Os bons tempos de início, em que a diversão era obrigatória em cada sessão de surf. Nosso primeiro logo remete à essa época, em que ser grande ainda era um sonho. Parte de um sonho que hoje se mantém vivo.

Foi pensando nisso que a galera da criação montou a FreeSurf Reedition, uma “coleção dentro da coleção”, resgatando a nossa marca clássica. Quer conhecer a Reedition Movie Mix? Confere:

São peças especiais, elaboradas 100% com tecidos eco-friendly. A linha alia moda à sustentabilidade, com muito estilo. Cada tecido e matéria-prima são escolhidos criteriosamente, respeitando o uso de materiais sustentáveis e de menor impacto ambiental. As cores ganham tons orgânicos, e as estampas elementos da natureza, efeitos de lavanderia, silk tom sobe tom e monocromia, com acabamento perfeito.

Gostou? Tem mais aqui no site: http://www.freesurf.com.br/#reedition

A linha Reedition já está nas lojas, junto com a coleção de verão 2012 Movie Mix.

22/fev/2012

MAC Surf Baby, maquiagem surfer

A MAC, marca canadense de maquiagens, lançou ano passado uma edição limitada inspirada nas surfistas californianas. Cheia de cor, produtos para ativar o bronzeado, e muito fator de proteção solar, a coleção conta com blush, batom, gloss, pigmento, sombra, esmalte, lápis para o olho, máscara para os cílios à prova d’água, bronzer, pincel e até uma nécessaire. Os tons ficam entre o coral, terracota, azul turquesa, amarelo, verde e cinza, alguns em versões metálicas.


As duas grandes atrações da coleção são os bronzers em bastão (em três cores, uma com brilho dourado) e o My Paradise Cheek Powder, um blush em tons de coral e dourado. Os dois produtos dão o efeito “peguei um sol agora” instanteneamente.

Fica a dica para quem quiser sensualizar nas areias e no mar. A make promete não sair na água!

17/fev/2012

Com que roupa eu vou: looks de Carnaval

Carnaval é aquela época maravilhosa, em que as praias ficam lotadas de turistas que só vêm pra cá nesse período do ano, fazendo farra e lotando o pico.
Em compensação, as noites ficam muito mais interessantes, com gente de outros lugares, muita festa, animação, e um clima de “Eu quero mais é beijar na boca”.
Para acompanhar tudo isso, e ainda ficar bem na foto, não dá pra descuidar do visual. A gente dá algumas dicas para entrar na folia e fazer bonito.

Com o calor senegalês que vem fazendo em todo o país, o look adequado é aquele mais fresquinho possível. Para as meninas, de dia, a dupla biquíni e short é a pedida. Dá pra entrar no banho de espuma do clube (quem nunca?) e cair direto no mar sem culpa. Para os meninos a dupla é outra: boardshorts coloridos e protetor solar. Pode ficar sem camisa mesmo, a gente deixa.

Na festa, bloco, clube, trio, whatever, a produção tem que ser mais elaborada. Dica importante para as mulheres: use shorts, e não vestidos, nesse tipo de muvuca. Questão de segurança. Uma blusinha colorida, e se o shape estiver em dia, hoje pode usar barriga de fora!

Para os homens, nada de regata, hein? Camiseta bacana com estampa e uma bermuda de sarja ou jeans. A cara é de festa e não de “sai do mar agora”.

Todos prontos? Partiu Carnaval?
A gente também! O blog vai cair na folia e volta na quarta-feira de cinzas ;)

16/fev/2012

Um bom começo de ano para Binho Nunes

O 2012 foi mais que bem vindo para o nosso freesurfer Binho Nunes. No quintal de casa, na Praia da Joaquina em Santa Catarina, ele garantiu ondas incríveis logo no comecinho do ano, entrando de pé direito na temporada.

Os bancos rasos da Joaca ofereceram três swells com tamanho, pressão e direção certas, em menos de 20 dias. Nas palavras do próprio Binho: “acordar e surfar ondas perfeitas como foi durante esses swells não tem preço! Principalmente quando você acorda e não precisa pegar o carro ou enfrentar aquele maldito trânsito, ou ver ondas quebrando vazias enquanto o crowd se mata brigando! Ainda bem que nada disso aconteceu, surfei na paz e vi muitas onda sobrando! Aproveitei para aumentar a kilometragem nos canudos, apesar do saldo de 2 pranchas quebradas e uma trincada, fico feliz por surfar dias memoravéis como este, ainda bem que surfo para viver e vivo para surfar!”

Tá aí o saldo desse swell. Mas faz parte, vão-se as pranchas, ficam os surfistas.
As fotos são de Chris Herzog. Quer conferir mais dessa session? Vai lá no blog do Binho.

15/fev/2012

Pedro Manga em entrevista para o Waves

Nosso fresurfer Pedro Manga Aguiar, gaúcho de Porto Alegre, deu entrevista ao Thiago Rausch sobre a temporada 2011, a indicação ao prêmio XXL e sua história como big rider. O resultado completo você pode conferir no Waves. E por aqui a gente separou os melhores trechos. Confira:

Você acampou sozinho na beira da praia em Teahupoo, na Austrália, em Puerto Escondido, sem a menor segurança e conforto. Conta o que significa para você essa vibe do surf que te fez encarar essas situações que seriam roubadas épicas para qualquer ser humano “normal”?
Na verdade, foi um prazer viver esses “ sacrifícios”. Não que minha vida hoje em dia seja muito mais sofisticada, mas era realmente uma vida sem conforto. O que importava naquele momento era estar sendo honesto comigo mesmo e viver o que eu havia sonhado por anos. Durante minha primeira ida para a Califórnia, percebi que mesmo trabalhando e economizando quase todo o meu salário, era difícil conseguir juntar grana para pagar todos os custos de uma trip. Então, passei a me preocupar somente em conseguir juntar o suficiente para comprar uma passagem aérea e chegar aos picos. Uma vez nos lugares, ia conhecendo gente e tentava encontrar algum lugar para acampar de graça, de preferência. Assim, conseguia ficar meses pegando onda em alguns dos melhores picos do mundo. Em alguns momentos eu me questionava se aquilo estava certo, se ficar distante da família e vivendo daquela forma valeria a pena. Mas a resposta vinha quando eu terminava o dia satisfeito, feliz com o que havia vivido.

Em agosto passado você estava presente em Teahupoo, no dia que foi considerado o mar mais perigoso da história do big surf até então. Você foi um dos destaques na água, surfando várias ondas e tendo reconhecimento mundial com tamanha coragem e performance. Conta um pouco da vibe desse dia.
Acordei com o dia clareando e fui encontrar o Gordo (Felipe Cesarano), meu parceiro de tow in, que disse que estaria me esperando na marina de Teahupoo. Vi que o mar já estava gigantesco e bem de Oeste, o que quer dizer que a onda fecha no final. Não tinha ninguém pegando onda ainda, apenas um ou dois barcos e jet skis no canal. As cenas que vi foram meio perturbadoras. Apesar de lindas, as ondas estavam mais mutantes que o normal, e praticamente todas fechavam rápido demais no final. Eu não tinha muita ideia do tamanho que estava, pois não tinha ninguém na onda para que pudesse ter uma referência, mas era óbvio que tinha 5 metros pra cima…
Eu e Gordo assistimos a uma série detonando na bancada, e achamos melhor ir ao pico e surfar, pois ficar olhando era assustador demais. Ficamos alguns minutos tentando decidir quem iria primeiro. Um dizia ao outro: “Pode ir você primeiro, não tem problema não, tranquilo”. Até que Gordinho pulou do jet e foi pra corda. Acabou que abrimos o pico no dia mais sinistro da história em Teahupoo. Acabei por ficar mais de 10 horas na água naquele dia. Coloquei Gordinho na onda da vida dele, na qual ele se machucou, e depois de levá-lo até a ambulância, coloquei mais dois malucos nas ondas das suas vidas – Anthony Walsh e o local Manu.
Foi demais ver as expressões no rosto desses caras depois dessas ondas. Até Gordinho, que saiu todo arrebentado, ficou amarradão, com um sorriso meio bizarro na cara… Também acabei pegando algumas ondas legais, mas fiquei mais contente mesmo foi com a forma com que me senti à vontade e saí ileso depois de uma session de 10 horas. Minha melhor onda foi a última. Fiquei vendo a bancada de coral embaixo da prancha o tempo todo enquanto estava na boca do tubão. Depois ela baforou e não vi mais nada. Só sei que a onda fechou e fui para o fundo. Bati no coral de costas, mas eu estava de colete e capacete. Então, nem me machuquei. Depois disso vi que já era 5 da tarde e eu estava exausto. Não tinha comido nada o dia inteiro. Achei que estava de bom tamanho e tirei o time de campo.

Uma onda sua nesse dia está concorrendo ao prêmio máximo do surf de ondas grandes, o XXL, o Oscar do surf mundial das big waves. Conte mais sobre ela e como você se sente sendo indicado para esta premiação.

Sim, a onda que está concorrendo ao XXL foi minha última naquele dia. Como eu disse, foi tudo muito rápido, eu lembro mais da bancada de coral que eu conseguia ver embaixo da minha prancha o tempo todo. Eu só estava concentrado em me manter na base da onda e não ser puxado pra cima… Foi uma satisfação enorme receber essa indicação.
Não sei como chegaram até mim, mas provavelmente estavam assistindo a session nos barcos no canal. Devem ter visto a minha onda e descobriram quem era. Sei que não tenho chance de ganhar, pois as ondas dos concorrentes estão bem melhores, mas mesmo assim acho legal ter sido lembrado.

Todo o mundo do surf estava ligado nessa session, já que a etapa do World Tour estava acontecendo ali e foi interrompida pelo swell monstro. Teve até webcast ao vivo para os quatro cantos do planeta. Você tem noção da façanha que você e os outros malucos protagonizaram e ainda que os melhores surfistas do mundo estavam ali, apenas assistindo apavorados, e até mesmo Kelly Slater nem em seus mais remotos sonhos ou pesadelos pensou em estar surfando com vocês?
Pra falar a verdade, foi uma surpresa pra mim que quase nenhum dos tops quis cair na água com a galera. Alguns dias antes do swell, quando vi que ia quebrar gigante, achei que estaria o maior crowd, chegou a me dar um desânimo. Imaginei que os tops todos iriam querer pegar pelo menos uma bomba, mas não foi o que aconteceu. Quando o dia chegou, ninguém quis nada com aquele mar… O único que pegou uma foi Julian Wilson. Os demais tops do Tour ficaram todos no canal assistindo.

Conte como foi seu acidente em dezembro passado, em Pipeline, Hawaii, e como está a recuperação?
Fui explodido pela onda e bati no fundo com uma força que nunca havia batido. Foi uma pancada seca na lateral da bacia e nas costas. Minha perna esquerda ficou bamba devido à pancada no glúteo. Na hora, achei que podia ter acontecido algo realmente sinistro. Mas, embaixo da água mesmo mexi os pés e vi que estava tudo certo, foi uma felicidade enorme e até dei uma relaxada. Quando subi do caldo veio mais uma espuma grande na cabeça. Depois disso consegui puxar minha prancha pelo leash e peguei um espumão até a areia. Uma vez na beira da praia, consegui ficar de pé, mas não conseguia caminhar, pois minha perna esquerda não estava respondendo. Rastejei praia acima um pouco e fiquei deitado na areia esperando alguém vir me ajudar. O engraçado é que a praia estava lotada, todos me vendo ali deitado, mas tive que esperar alguns minutos para virem me ajudar. Depois veio um salva-vidas e uns turistas que me carregaram praia acima.

Como foi a situação de sair da água sozinho com a coluna afetada, sem a ajuda de ninguém?
Foi uma das experiências mais intensas da minha vida, desde o momento em que percebi que estava numa situação complicada na onda, até a hora em que cheguei à areia. Durante o caldo me lembrei de um amigo taitiano que sofreu uma lesão na mesma parte do corpo, e lembrei do meu amigo Inaldo, que acertou forte o fundo em Pipe uns anos atrás. Os salva-vidas me examinaram e acharam que não era nada de mais, então me mandaram pra casa, mas quando cheguei em casa a dor começou a me preocupar. Então, pedi que me levassem ao hospital. Lá fizeram raios-x e viram que tinha lesões nos ossos da região, tanto na bacia quanto nas vértebras da coluna, mas a medula estava intacta, pra minha sorte…

E que sorte em Manga!
A gente fica por aqui torcendo para uma temporada 2012 com mais ondas gigantes e menos sustos.
A entrevista completa você confere aqui.

14/fev/2012

Happy Valentine’s Day!

Hoje é Dia de São Valentim, o Dia dos Namorados no resto do mundo. Mesmo que por aqui a comemoração oficial seja só no dia 12 de junho, vale a lembrança da data, até pelo seu significado.


Valentim foi um bispo da Roma Antiga que lutou contra as ordens do Imperador Cláudio II, que havia proibido os casamentos durante a guerra por acreditar que os solteiros eram melhores soldados. São Valentim continuou celebrando casamentos, e foi preso por isso. Na prisão operou seu primeiro milagre, em uma jovem cega pela qual ele se apaixonou. Ela recuperou a visão, mas ele foi executado no dia 14 de fevereiro. Seu último bilhete para ela era assinado com “from your valentine”. O termo valentine hoje é sinônimo de namorado nos países anglo-saxões.

E como todo dia é dia da gente falar em amor, e nunca é demais lembrar das coisas pelas quais a gente é apaixonado, a gente buscou imagens inspiradoras para esse post, com as coisas mais importantes na nossa vida: o surf e o amor.

É muito <3 <3 <3!

Feliz Dia de São Valentim!

E pra quem não tem namorada/o, não precisa ficar triste. A comemoração dos solteiros também é essa semana, dura quatro noites e se chama CARNAVAL!